quinta-feira, abril 27, 2006

Sentimento do dia:

A diplomacia gasta-se quando dela temos que fazer uso 8 horas por dia…

Este fds...

Circuit Lisboa p/abrir o apetite. Uma Materna Doçura de Possidónio Cachapa a antecipar o domingo de Todas as Mães. Kings of Convenience na Aula Magna e música de BSO p/dizer adeus ao Indie Lisboa. Depois é recarregar baterias c/vista p/o mar p/4ª Fª regressar em força à semana atarefada que me espera.

Mães há só 3:

Este é o primeiro Dia da Mãe em que não vou felicitar só a minha. Deixou de pertencer-lhe por exclusivo e passou a ser partilhado com as amigas, que conquistaram este direito ao fim de nove meses maravilhosos… é estranho, mas faz-me feliz.

It´s a Girl!

No espaço de duas semanas, nasceram duas novas Marias em vidas alheias. Eu felicito-as mas sinto que não há palavras que traduzam a importância que as duas hão-de ter…

quarta-feira, abril 26, 2006

No means yes?

Uma amiga dizia-me que para os homens é mais difícil dizer que não quando surge uma “oportunidade” (leia-se, alguém do sexo oposto ali à mão de semear). Que não estão habituados a serem cobiçados abertamente e que quase nenhum passa nesse teste… não sei se será verdade ou não, mas parece-me uma visão assustadora da vida…

 

[ma coisa é, no entanto, verdade. Foi Eva que colheu a Maçã mas o que é facto é que Adão não soube resistir-lhe.]

Reencontros:

O bom de haver fins-de-semana prolongados é que os amigos emigrados abrem as asas e regressam a casa, como as andorinhas:)

 

[eu cá estarei, de braços abertos, à espera]

 

 

Contas de divisão:

De repente, tudo o que parecia certo, deixa de estar no sítio (e agora, como se arranja novos espaços p/esta(s) vida (s))???

segunda-feira, abril 24, 2006

Foi você q disse 28 anos???

Ultimamente, tem ocorrido um fenómeno deveras estranho no meu mail. Alguém, cuja identidade desconheço, achou por bem incluir-me na mailing list do Stones. Para quem desconhece esta instituição, esta é uma discoteca conhecida pela avançada idade dos seus frequentadores, entre os quais se incluem os meus extremados pais. Foi-se o T-club, ficou o Stones, a debitar clássicos de outrora, uma verdadeira “boite” de outros tempos. Ora o q n percebo é o q faço eu ali naquela lista de endereços, onde o BCC deve incluir quarentões e cinquentões ansiosos por mais uma noite de folia, com pezinho de dança incluído. Já n peço para ser incluída nas noites de quinta-feira do Garage  que uma pessoa tem que saber reconhecer o peso da idade, mas caramba, o Stones?!? Qq dia estou a receber flyers do Inatel para me juntar às excursões para a 3ª idd!

A Inveja é 1a coisa mto feia:

São dias como este, com o sol a acenar-me da janela, que me fazem invejar os funcionários públicos e as suas eternas “tolerância de ponto”.

Agora que me estou a meio caminho do endividamento (sinto-me um daqueles bonecos do jogo da forca) perpétuo para me tornar proprietária, apercebo-me que um dos meus piores receios está prestes a materializar-se: vou ser mulher-a-dias e patroa de mim ppa!

Achado n é roubado:

almoço

Um almoço, extraviado por demorasentretantas, que hoje em dia qualquer encontro entre dois seres humanos é quase um acerto ao acaso na mouche da data aprazada. Por fim, qualquer coisa que se cumpriu (talvez o alinhamento propício dos planetas, porque não?) e lá se encontraram em quatro meias horas que lhes pareceram menos que duas, partidas ao meio. Apesar dos meses em que nem se haviam lembrado de que o outro existia (ou haviam-se lembrado assim como quem rapa as migalhas do fundo do pacote das bolachas, com uma gulodice displiscente), uma vez frente a frente e com um bom tinto de permeio, cuidaram de tudo contabilizar, informaticamentalmente, registando pesos, medidas e formas, num balancete favorável às exigências dos sentidos. Iam comendo e apreendendo as palavras, os tiques e os gestos, até então omissos do vocabulário afectivo do outro, digerindo-os com gosto. Quando, por fim, se esgotou o tempo que haviam tomado emprestado, deram-se a face e apressaram-se aos seus universos paralelos, bem sabendo da improbabilidade de futuras intersecções - percepção que, não obstante, lhes transmitiu o conforto morno de um velho sofá de sala. A indiferença pode ser uma forma de aconchego onde nos limitamos a deixar os nossos contornos para que neles se deite quem venha a seguir.

In Controvérsia Maresia

 

terça-feira, abril 18, 2006

Apanhado no ar:

“Há coisas que são como as cartas que escrevemos: só os nossos amigos podem compreendê-las.”

 

[Este blog é uma delas]

terça-feira, abril 11, 2006

Hj a meteorologia enganou-me. Saí de casa c/sorriso de Primavera e tive que resignar-me a usar a melancolia do Outono.

 

 

Letter to S:

Desde há muito tempo que aprendi que ia ter de me habituar a ter pessoas a entrar e a sair da minha vida. Num momento estão aqui comigo a tomar café e noutro estão lá longe, do outro lado do oceano. Ao que não me habituo, é à ausência das palavras, à forma como o silêncio se instala, a preencher espaços que dantes não existiam e que, de repente, parecem ganhar terreno até nos sufocarem com a ausência…

 

[Só restam as saudades]

Desencontros:

A vida tem destas coisas e ontem, na minha e na tua, foi Natal. Ali, numa mesa do Monumental…

segunda-feira, abril 10, 2006

Valió la pena?

Face a esta notícia, só um comentário: Motivem-me mais que eu gosto!:(

Ao que nós chegámos!

Pelo seu carácter pidesco, esta notícia merece ser transcrita na íntegra. Deliciem-se ou indignem-se!

 

O Governo está com uns pulmões em boas condições. Ou melhor, só tem duas manchinhas. Dos 16 ministros em funções, só dois são fumadores assumidos e metade das pastas ministeriais está nas mãos de não fumadores. Meia dúzia dos braços direitos estão em cima do muro, ou seja, fumam «excepcionalmente».

Na semana em que o Executivo de Sócrates avançou com uma proposta para proibir que se fume no local de trabalho, restaurantes, bares e discotecas, entre outros locais públicos fechados, o PortugalDiário quis saber quem é que vai sofrer mais com as restrições, que deverão ser aprovadas nos próximos meses.

Manuel Pinho, ministro da Economia e da Inovação, é um dos membros do Executivo que «fuma e não esconde», esclarece o assessor de imprensa. No Ministério das Obras Públicas, Transporte e Comunicações também se assume o vício. Mário Lino fuma cachimbo e «fuma mesmo muito», esclarece a assessora de imprensa. Para já, enquanto as pretensões do Governo não se transformam em lei, no ministério das Obras Públicas fuma quem quer. Sendo um edifício antigo, o Palácio de Penafiel não tem «zonas de open-space [espaço aberto]», explica a assessora. Cada pessoa trabalha no seu gabinete e decide se puxa ou não do cigarro. E nas reuniões? «Tem-se em atenção a quem é que está presente, tem-se esse cuidado».

Já no Ministério da Saúde, donde saiu a proposta governativa, a resposta é um não redondo. «Aqui nós não fumamos!», é a resposta imediata da assessoria de imprensa. Quanto ao ministro, a resposta é politicamente correcta: «No local de trabalho nunca fuma».

A resposta de um dos assessores de imprensa do primeiro-ministro também não compromete: «Não digo se [José Sócrates] fuma ou não. Nunca o vi em público a fumar».

Um charutinho de vez em quando

Alguns ministros não se consideram fumadores, mas apreciam um Cohiba de vez em quando. O ministro da Defesa, Luís Amado, e o ministro do Ambiente, Francisco Nunes Correia, acendem um charuto «muito de vez em quando».

O ritual de José Vieira da Silva, ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, dura há duas décadas: fuma um cigarro a seguir ao almoço há 20 anos.

Quem não fuma regularmente é o ministro dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva. «Não se considera um fumador».

Afinal, quem trata bem dos pulmões?

Oito ministros não fumam. As pastas sem cinzas são a da Saúde, Agricultura, Cultura, Negócios Estrangeiros, Justiça, Administração Interna, Ciência e Finanças. Aliás, no último ministério todos se portam bem. «O ministro Teixeira dos Santos não fuma. Os secretários de Estado também não fumam. A única «ovelha negra» sou eu!», confessa o assessor de imprensa.

As dúvidas permanecem em relação ao ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, e a ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues. A assessora de imprensa de Silva Pereira preferiu não responder à questão por se tratar de um assunto pessoal. O ministério da Educação foi o único, apesar da assessora de imprensa ter conhecimento da sondagem do
PortugalDiário, que não respondeu.

Claro que os nãos, os «nims» e os silêncios podem traduzir-se em «sims» quando ninguém está a ver e as câmaras fotográficas estão longe. Mas se ninguém lá estiver para ver, ninguém não se pode queixar de ser fumador passivo destes cigarros ministeriais

In Portugal Diário

 

sexta-feira, abril 07, 2006

Apanhado no Ar:

No metro, dois irmãos lutam pelo lugar perto da janela:

 

Ela- É meu!

Ele- N é nada!

Ela- É sim! Sai!

Ele- Porquê?

Ela- Porque eu sou menina!!!

 

De cabeça baixa, ele chegou-se para o lado e cedeu-lhe o lugar. Contra factos…

 

Um dia disseste que o amor n tem tamanho, mas enganaste-te.Cabe no meu bolso, repartido nas mensagens que invadiram o meu ecrã.

 

quinta-feira, abril 06, 2006

Moral da História:

Sabemos que ainda estamos em "modo Peter Pan" quando, em x da lista do supermercado, fazemos a lista dos dvds que vamos encomendar ao fansub este mês;)

ANIME(-me)

De x em qdo, a TV dá-nos algumas alegrias.Ora vejam:
 
Já a SIC Radical renovou séries como South Park e Buffy, mas o grande destaque de Vítor Figueiredo, director da estação, vai para o regresso de Daily Show de John Stewart. Reservando mais novidades para a semana, antecipou ao DN a compra de três séries de anime (animação japonesa), Gravion, Gad Guard e Desert Punk - com as duas primeiras a estrear já em Maio. Mas não é tudo. "Vai haver muito anime novo na Radical".
 
in DN
 
Se são fãs, podem saber mais sobre outras séries transmitidas em Portugal, aqui.
 
 

Hj sinto-me assim:

SAY IT WITH COOKIES:



Já ouvi dizer que a vingança é doce, mas nunca tinha pensado em voodo formato chocolate. Esta é apenas uma das sugestões do site Cookie Pots que tem bolachas para todas as ocasiões! Take a peek:)


Livro de Reclamações:

No último "Belas e Perigosas", uma notícia dava conta do descontentamento dos clientes da "Companhia dos Bichos", loja de animais pertencente à modelo Rita Egídio. Segundo os queixosos, tinham pago por cães que nunca mais chegavam. A proprietaria defendia-se dizendo que "às xs não há cães para entregar". Para estes deixo apenas duas palavrinhas: União Zoofila. Há sempre animais a precisarem de carinho e estão prontinhos para ir para vossas casas a custo zero!

Apanhado no Ar:

O casamento é um catalisador da gordura.
 
[graças a deus-e ao bikini tb-ainda sou solteira]

Achado n é roubado

 Crenças

Vivo rodeado de pessoas cujo maior prazer na vida é chegarem 10-12 minutos atrasados ao escritório, que vão para casa às 6 em ponto pela mesma razão que chegam atrasados de manhã, que não pedem recibos porque sem impostos é mais barato, que passam a bola "a outro e não ao mesmo". Há quem não acredite que os americanos tenham ido à Lua, eu não acredito nos portugueses.
 
in SIlva´s Place

Downloads:Toda a Verdade

Mais informação sobre a polémica do momento AQUI.

Caça às Bruxas

A inquisição já era mas o extremismo dos tempos modernos dita novas formas de perseguição. Ainda há uns dias eram as aves, pobrezinhas, hoje são os downloads. Com as recentes afirmações de soberania da PJ (sim, pq eles têm-tremei!-MEIOS p/descobiri os ilegais q se aventuram a desafiar a lei), instalou-se o medo. Os servidores nacionais do e-mule já fecharam (os mais conhecidos, pq existem outros que, obviamente, n vou aqui mencionar e q, felizmente,ainda permitem ter acesso a esse mundo da corrupção) e n há jornal q n traga a sua noticiazinha diária sobre este novo desporto nacional. Inclusivamente, somos alertados para o facto de q podemos DENUNCIAR cidadãos e cidadãs suspeitos desta prática pecaminosa. Ah, Sta Inquisição que nos dais estas ferramentas para apontar o dedo ao próximo! Já estou a imaginar o comité de vizinhos em assembleia secreta a discutir se irão ou n denunciar o filho do advogado do 3º esquerdo q anda smp com o seu leitor de mp3 atrás! E pq este crime tem q ser detido a todo o custo, o Portugal Diário dá hoje dicas aos progenitores extremosos sobre a melhor forma de se precaverem de albergar um famigerado pirata sob o mm tecto!
 
Face a tanto alarido, deixo-vos com um excerto de uma música do saudoso "Eu Show Nico":
 
"somos piratas
e sem gravatas
Há mais piratas
E com gravatas
mas há quem diga que piratas somos nós!"

quarta-feira, abril 05, 2006

Maus Pressentimentos:

E de repente, dou por mim a adiar a hora de ir para casa, com medo do momento em que vou ter que ligar a televisão na RTP1!

BARATO, MAIS BARATO N HÀ

É daqueles q gosta de pechinchas? Pela-se por um precinho em conta? Então esqueça as guerras publicitárias entre o Pingo Doce e o MiniPreço e deixe-se de fds no LIDL. Comprar na PSP é que é!
 
Ora veja:
 
Carteiras, chapéus-de-chuva, óculos graduados e de sol, bengalas, telemóveis e rádios são alguns dos objectos que serão leiloados quarta e quinta-feira pela PSP, uma forma de «arrumar» a secção de achados, que costuma atrair cerca de 200 pessoas, avança a agência Lusa.

«É quase uma forma de arrumarmos a casa, senão não tínhamos espaço para guardar os objectos que nos chegam todos os dias», disse à Lusa o Chefe Araújo, da Secção de Achados da PSP de Lisboa.

Diariamente chegam àquela secção, nos Olivais, em Lisboa, dezenas de objectos, esquecidos em transportes públicos, centros comerciais ou repartições públicas da capital. Até marmitas com refeições, esquecidas nos autocarros da Carris, são recebidas pela PSP.

Os objectos permanecem um ano à espera que os donos os reclamem e, ao fim desse período, são leiloados. «Mais de 60 por cento são documentos e carteiras», revelou o responsável, acrescentando que os documentos são devolvidos, na impossibilidade de contactar o proprietário, à entidade emissora.

Apenas as carteiras vão a leilão, e destas «só as que estão capazes».

Reunidos em cerca de 300 lotes, serão também leiloados chapéus- de-chuva, relógios, roupa, malas, sacos de viagem, óculos, luvas, bengalas, telemóveis, máquinas fotográficas e de filmar, rádios e leitores portáteis de CD.

Estes leilões costumam atrair cerca de 200 pessoas, algumas das quais já são presenças habituais, revelou o Chefe Araújo. «É um público muito heterogéneo, há de tudo, pessoas novas e velhas», disse.

Outra das características destes leilões é a ausência de uma base de licitação. «São coisas baratas, cada um oferece o valor que acha que valem, as pessoas é que fazem a licitação».

Os próximos leilões estão marcados para quarta e quinta-feira, às 17:00, na Secção de Achados, situada na cave do lote 180 da Praça Cidade Salazar.

in Correio da Manhã (where else???)

>