sexta-feira, dezembro 30, 2005

Apanhado no ar:

Colega 1- nos Açores é menos uma hora, não é?

Colega 2-sim. Nem imaginas o que me irrita quando ouço o sinal horário: são 8 e meia em Portugal Continental e 7 e meia nos Açores. Pip Pip. Aquela gente ainda pode ficar mais uma hora na cama!

Colega 3- não podes pensar assim. Tens é que te rir daquelas pessoas que já estão nos Açores acordadas a ouvir isso.

 

[Haja copo meio cheio]

Encadeia bem encadeado...

Manhã. Ainda sonolenta recebo um mail da minha “sis” que me dá conta do maravilhoso mundo do design gráfico em versão t-shirt. Perco-me nas páginas e nos muitos modelos disponíveis e amaldiçoo os portes de envio e a variedade além-mar que teima em não chegar aqui. Desço no visor e em novo endereço electrónico. Considerações sobre um dos filmes da minha vida, e desconsiderações sobre o número um do meu novo vício: anime. Penso com os meus botões: é preciso arranjar um argumento para convencê-lo que vale a pena. Digito o nome no Google e vou parar aqui. Não resisto e navego pelo top de séries anime. Resolvo dar uma hipótese à manga e, de repente, faz-se luz. Perdida no meio de muitos títulos, uma das minhas séries de animação preferidas, memória dos tempos idos de infância. Não recordava o nome. Apenas um cenário muito “80’s” e uns acordes de pop japonesa, com muito órgão e sintetizador. Agora, finalmente, por uma casualidade, descobri! Gosto destes momentos em que a vida nos aponta o caminho, sem sabermos bem como e porquê…

quinta-feira, dezembro 29, 2005

Apanhado no Ar:

No metro, a caminho do Bairro Alto:

A- epá, lá bati com o carro. Aquilo foi pr’ali uma jiga joga! Logo eu!!!

B- E depois?

A-epá, depois chamei a polícia, preenchemos o papel amigável e tal…mas a coisa até se deu bem. A malta diz mal dos seguros e assim, mas a gente ligou logo para a Marta e fomos muita bem atendidos…sabes quem é a Marta, aquela da t´lvisão, do “olá, fala a Marta?”

Espero bem que sim...


Que venham novas linhas. Muitas. Do outro lado do nosso Alvim.

quarta-feira, dezembro 28, 2005

É uma casa portuguesa...

Não sei se as quatro paredes estarão caiadas, mas há, certamente, o “cheirinho a alecrim”, ou não fosse esta uma “casa portuguesa”. Fica para os lados do Bairro Alto, na Travessa Poço da Cidade, e está de portas abertas até ao próximo dia 6 de Janeiro. Lá dentro há toda uma variedade de produtos com gostinho a Estado Novo que despertam até o menos saudosista dos portugueses. Da pasta medicinal Couto às caixas de Giz Sino, o difícil é escolher. O melhor mesmo é pôr pés a caminho, ir até lá e seguir a tradição de nuestros hermanos para ter desculpa para comprar uns presentinhos para oferecer no Dia dos Reis.

Este ano...


Em exercício de antecipação, deixo as minhas resoluções de ano novo que não cumprirei:

1)Vou ganhar o Euromilhões

2)Vou deixar de me esquecer de jogar no Euromilhões

3)Vou passar a verificar os poucos boletins das xs em que me lembro de jogar no Euromilhões

4)Vou experimentar o Totoloto que anda mais esquecido

5)Vou continuar a acordar a horas mas deixar de me atrasar pelo caminho

6)Vou deixar de adiar para depois não me arrepender

7)Vou passar mais tempo com quem gosto e menos a perdê-lo com quem não vale a pena

8)Vou aprender a viver na indigência graças às prestações devidas ao banco

9)Vou tentar lembrar-me de não me queixar do meu novo estado de pobreza franciscana

10)Vou atar cordões aos dedos para me lembrar do que é importante

11)Vou fazer notas na agenda para identificar os respectivos

12)Vou tentar não me esquecer disto tudo depois do dia 2

E vocês?


Circo de Feras...

De manhã, quando o sono ainda impera, estamos mais vulneráveis e permeáveis à informação. Eu passo todos os dias por essa experiência, enquanto mastigo o meu Kellogs K, e alterno entre o Bom Dia Portugal e o Diário da Manhã. Entre um floco e outro, fico a saber que impreciso não se escreve (ah! A surpresa!) com ç e que, em “bom português”, das vogais só tolera três (a, o, u, para os mais distraídos); que há escoteiros perdidos na Serra da Estrela porque, apesar dos avisos da Protecção Civil, acham que uma bússola e o “sempre alerta” lhes conferem super-poderes de orientação; que o Professor C. Silva se enganou na “sala de aula” e ainda anda a pregar a doutrina de primeiro-ministro quando já devia estar na classe avançada de presidente da república; que Soares se indigna, Alegre chateia-se e Louçã parte a loiça… no meio de tudo isto, Cinha Jardim relembra que o Natal é época de circo. Nem Marcelo Rebelo de Sousa retrataria melhor o actual panorama nacional!

terça-feira, dezembro 27, 2005

Hino do Novo Ano:

So this is the new year.
And i don't feel any different.
The clanking of crystal
Explosions off in the distance (in the distance).
So this is the new year
And I have no resolutions
For selfl assigned penance
For problems with easy solutions
So everybody put your best suit or dress on
Let's make believe that we are wealthy for just this once
Lighting firecrackers off on the front lawn
As thirty dialogues bleed into one
I wish the world was flat like the old days
Then i could travel just by folding a map
No more airplanes, or speedtrains, or freeways
There'd be no distance that can hold us back.
There'd be no distance that could hold us back [x2]
So this is the new year [x4]

Death Cab for Cuttie, "The New Year"

Ai se n fosse...

Ai se eu não fosse uma pessoa com pretensões de coerência, estava tentada a escrever linhas e linhas de odes à minha nova casa. Mas como disse um dia que não me transformaria numa futura proprietária “domo”cêntrica, repito apenas, como no anúncio, “aqui vou ser feliz”! Espero que vocês também, comigo:)

segunda-feira, dezembro 12, 2005

Não há tempo...

Entre a ida para o Porto em trabalho na semana passada, as festas de aniversário, os presentes de Natal e os preparativos para as férias que se aproximam cada x mais, não há tempo para dar voz a tudo o que tenho cá dentro. Faço rabiscos mentais de temas sobre os quais queria escrever, anoto pensamentos em folhas que já não sei onde estão…vou deixando para depois, quando o tempo decidir esticar os dias para que lá caiba toda a minha vida.

quinta-feira, dezembro 08, 2005

Ironias visonárias:

Hoje assisti, incrédula, à vitória do Benfica numa das muitas televisões do "shopping" (por mais que tente, não consigo atinar com este estrangeirismo) do BomSucesso. Estavam colocadas ao redor de uma coluna que me valeu um belo de um torcicolo e que tinha a estranha particularidade de transmitir o jogo nos ecrans cimeiros e o canal Panda nos inferiores. Ambos são regalos ipara a vista e motivos de alegria, o que muda são as faixas etárias...

terça-feira, dezembro 06, 2005

Mudei-me, temporariamente, para a Invicta. Novos posts quando rumar a Sul..
>