domingo, março 06, 2005

Há dias em que as palavras que tenho cá dentro são tantas que acabam por se atropelar, sem sobreviventes...
Quiseste encontrar o amor
como se estivesse
pendurado
no cabide
de uma loja.
Pronto-a-vestir.
Em todos os tamanhos.
Ajustáveis
(melhor ou pior)
a todos nós.
Mas esqueceste-te q é "feito à mão"
e q se n deres as tuas medidas
nenhum te vai cobrir
completamente
o coração.
Hj, finalmente, reconciliei-me com os domingos.Depois de anos a odiar este dia, q smp me soube a fim de festa, fizemos as pazes. E bastou descobrir q tb o 7º dia tem manhã...:)

Cão como nós:

Cão bonito, dizia eu, em momentos raros. E era um acontecimento lá em casa. Os filhos como que se reconciliavam comigo, minha mulher sorria, o cão começava por ficar surpreendido e depois reagia com excesso de euforia, o que por vezes me fazia arrepender da expressão carinhosa.

Cão bonito. E ei-lo aos pulos, a dar ao rabo, a correr a casa toda.

Digamos que aquele cão era quase um especialista nas relações com os humanos. Tinha o dom de agradar e de exasperar. Mas assim que eu dizia – Cão bonito – ele não resistia. Deixava-se dominar pela emoção, o que não era vulgar num cão que fazia o possível e o impossível para não o ser.

Cão Como Nós, Manuel Alegre



Depois da "voltinha da praxe", cheguei a uma conclusão.Tal como no anúncio da Pedigree Pal,tb eu "sou pelos cães".Especialmente pelo meu.E, de certeza, de uma forma muito irracional. Só isso explica que seja capaz de apanhar o "cocozinho" que o Sr.Simão faz cada x que vai à rua e depois andar a carregá-lo, de saquinho plástico mal cheiroso em riste,até,finalmente, encontrar um caixote do lixo!

Do outro lado do espelho:

Nas minhas viagens metabloguísticas encontrei 1 blog q dá pelo nome de Homem-a-dias.Ainda n tive tempo de o ler e "ver de que va", confesso.Mas achei q n podia deixar em branco porque é o meu eu contrário, do outro lado do espelho e porque n deve haver mtos homens por aí a prometerem "blogues sem mancha". Fica aqui a sugestão.

Uma canção por dia dá saúde e melancolia:

"Waiting For A Dream"

Waiting for the present, for the present to pass
Waiting for a dream to last
You are not my lover, and you never will be
'Cause you've never done anything to hurt me

There's a fire in the priory
And it's ruining this cocktail party
Yesterday I heard they cloned a baby
Now can I finally sleep with me?

Diving through the rising, through the rising waves of night
Keeping a reflection of you in hindsight
But in turning back the brackish waters will not reflect you
After you have turned the color black of death or something like that

There's a fire in the priory
And it's ruining this cocktail party
Yesterday I heard the plague is coming
Once again, to find me

There's a fire in the priory
And an ogre in the oval office
Once again we all will be so broken
Now can I finally sleep again?

Rufus Wainwright
, in Want Two
>