sábado, julho 24, 2004

Sinto

Sinto? E com que destino,
          se tudo o que sinto abomino,
se sou tudo o que não creio.

Sou nada e tudo é desalento,
            (reflexo daquele momento)
Sou  de mim mesma o receio

 
Longe está a minha dignidade,
            sombra de um amor esmorecido.
Hoje, de mim só resta a verdade
         do sonho que tive um dia ter havido.

0 passaram o espanador

Enviar um comentário

<< Home

>