sábado, junho 05, 2004

Só Eu...

Às vezes sinto-me só

E não consigo evitar...

A sensação de não ser.

(procuro não respirar)

A minha garganta em nó,

O coração a pesar...

A alma plena a sofrer,

E ninguém a quem contar.

Às vezes, fico assim,

Sem saber existir.

Onde me porei a mim,

Se estou só e não posso fugir?

Não posso. Não quero. Evito.

Não posso querer sonhar...

Pois os sonhos de que servem, se não os posso partilhar?

Às vezes (admito)

Sinto-me só plenamente.

Não consigo evitar,

A sensação de não ser.

Ó sol, brilha de novo!

Faz-me rir e ser gente!

in
EntreLinhas, 05-01-99

0 passaram o espanador

Enviar um comentário

<< Home

>